Ablação por cateter de Arritmias

Ablação por cateter

70691-140407.jpg
ablacao2.jpg

Algumas tipos de arritmias podem ser controladas ou até mesmo curadas pela ablação por cateter.

Trata-se de um procedimento minimamente invasivo sem necessidade de cortes ou pontos.

 

Mas como é o procedimento então?

 

Um ou mais cateteres são introduzidos em uma veia que passa na região da virilha, procedimento praticamente indolor pois utiliza-se anestésico local. Por meio dessa veia, os cateter são posicionados no coração para mapear e identificar os focos ou os circuitos das arritmias. 

Com a utilização de técnicas específicas, um certo tipo de energia é direcionada ao foco/circuito da arritmia pelo cateteres sendo possível neutralizar a atividade que causa a arritmia ("cauterização do foco da arritmia"). Atualmente as duas formas de ablação mais empregadas são a radiofrequência e a crioablação.

 

Para alguns tipos de arritmia a ablação pode apresentar uma taxa maior de 90% de cura completa do paciente. Existem outros tipos de arritmias que não respondem tão bem a ablação e geralmente nesses casos outros tipos de tratamentos são empregados. 

São exemplos de arritmias em que geralmente é possível a utilização da ablação:

- Taquicardia supraventricular

- Sd. de Wolf-Parkinson-White / Pré-excitação ventricular

- Flutter atrial

- Fibrilação atrial

- Extrassistolia ventricular frequente​

- entre outras

Naturalmente cada caso precisa ser avaliado por conta das peculiaridades de cada pessoa. Consulte seu cardiologista / arritmologista para avaliar se sua arritmia pode ser tratada pela ablação por cateter.